NOTA O produto aqui apresentado não é um  medicamento e não foi aprovado o seu uso  como tal. *Viver na Luz* apenas apresente  esta informação e não promove o seu uso  terapêutico.
Comprar MMS: www.dioxilife.com Aparelho para fazer MMS em casa: 50 euros: guido@vivernaluz.org        contacta-nos pelo 963806860
Home Reiki Leitura da Aura Rei-Ho-Guido Outras-terapias Formações e Consultas Contactos Escolher um Mestre Guido Galeria
© *Viver na Luz* 2012
Centro de formação de Reiki, Leitura da Aura, Karuna, Remédios florais e outras terapias energéticas para todos que querem viver na luz.
Dióxido de Cloro
                                                                            Fazer clique na imagem vai abrir uma página no Youtube com este entrevista (Legendas em Português)                                  A Descoberta de Dióxido de Cloro Durante o último par de semanas, tenho estado aprendendo e experimentando sobre algo maravilhoso; que tem implicações para todos nós. É um procedimento que envolve a precipitação de uma substância química, dióxido de cloro, em quantidades bastante reduzidas para ser ingerido com segurança, mas grandes o suficiente para matar organismos patogénicos que habitam em nosso corpo roubando sua energia, envenenado-o com detritos e tornando-o mais vulnerável a doenças. Se esta não for a sua realidade, será pelo menos a situação de alguém que você conhece e ama. As Origens de Jim Humble O protocolo do ClO2 foi desenvolvido por Jim Humble, um pesquisador de ouro e metalúrgico, durante uma expedição em busca de ouro nas selvas da América do Sul. Surgiu como a reacção à necessidade de ajudar um membro de sua expedição que caiu doente com malária, a mais de dois dias de distância da mina mais próxima, no meio da densa floresta. Com muitos anos de experiência, Humble sempre levava consigo oxigénio estabilizado nessas expedições, para tornar a água potável. Face à possibilidade de rapidamente perder uma vida, ele deu-o ao homem doente. Para espanto de todos, ele ficou bom em poucas horas. Isso certamente pareceu um milagre, mas Humble quis compreender melhor o que tinha acontecido. Durante o período de vários anos, Jim Humble descobriu o que tornava o oxigénio estabilizado tão eficiente em alguns casos de malária; não era o oxigénio, mas sim o vestígio de dióxido de cloro. Mais pesquisas, o levaram a descobrir centenas, senão milhares, mais de unidades de dióxido de cloro do que as que são encontradas no oxigénio estabilizado. Isto é, usando uma concentração maior de clorito de sódio (24% vs. 3% para o oxigénio estabilizado), junto com um activador. A prova da eficácia deste protocolo simples comprovou-se ao ajudar com sucesso mais de 75.000 pessoas, em várias nações Africanas - incluindo o Uganda e o Malawi - a livrarem-se de doenças como principalmente malária, mas também hepatite, cancro e SIDA. Jim Humble registou suas experiências em dois livros digitais que estão disponíveis para baixá-los na página  http://www.miraclemineral.org. O livro intitula-se The Miracle Mineral Solution of the 21st Century (A solução mineral milagroso do séc. 21). A primeira parte, cujo “download” é grátis, conta como começou. A segunda parte, que custa US$9.95, continua com a história, expõe a química envolvida, assim como dá as instruções exactas de como preparar a solução pessoalmente. (Existe uma edição do livro em papel). Isto é importante, porque uma vez que entenda a química envolvida, com a absoluta ausência de efeitos colaterais, para além das náuseas e vómitos quando as toxinas e os organismos patogénicos estão sendo expelidos, torna-se uma opção que, quem quer que sofra de uma sobrecarga de toxinas, deve experimentar por conta própria. Qualquer pessoa pode estar sobrecarregada com toxinas. Alguns estão assim mas não o admitem. Outros preferem apenas pensar que não estão assim. Se sua saúde não é perfeita... você está geralmente em carência de energia, se tem problemas em reduzir o peso, a pressão sanguínea está sempre alterada, ou se lida com constante inflamação ou dor, então existe a possibilidade de haver a intervenção de uma toxina, metal pesado, vírus, bactéria ou parasita. A medicina tradicional tipicamente responderá, sobrecarregando você com poluentes adicionais, muitos dos quais matam indiscriminadamente tecido saudável enquanto vão em busca dos "vilões". Tal não acontece com o dióxido de cloro. Ele apenas age sobre as presenças prejudiciais. Milagre ou não, os efeitos são maravilhosos. Nas próximas paginas, vou descrever o protocolo da toma segura do ClO2. Quando é aplicado, ele produz e distribui dióxido de cloro pelas células vermelhas do sangue, o que o torna no mais potente matador de organismos patogénicos conhecido na natureza. Mas primeiro, um pouco da base química O dióxido de cloro e o cloro, não são a mesma coisa. O cloro é um elemento químico. Em forma de ião, o cloro faz parte do sal comum e de outros compostos necessários à maioria das formas de vida, incluindo a humana. Sendo um poderoso agente oxidante, ele é o ião mais abundante dissolvido nas águas dos oceanos, combinando-se rapidamente com quase qualquer elemento, incluído o sódio com o qual forma cristais de sal, e com magnésio formando o cloreto de magnésio. O dióxido de cloro é um composto químico que consiste de um ião de cloro associado a dois iões de oxigénio. Os agentes oxidantes são compostos químicos que aceitam logo eléctrões de "doadores de eléctrões". Adquirem os eléctrões através de reacções químicas. Isto é importante na relação com o dióxido de cloro porque todos os organismos patogénicos são doadores de eléctrões. O dióxido de cloro é extremamente volátil. Pode-se chamá-lo "de temperamento explosivo", mas de uma forma benéfica. Essa volatilidade é o fator chave para a eficácia do dióxido de cloro como destruidor de seres patogénicos. O composto é literalmente explosivo; tão explosivo que não é seguro transportá-lo em qualquer quantidade. Portanto, é prática comum produzir o dióxido de cloro no local onde será usado. O dióxido de cloro tem sido usado por exemplo, em sistemas de tratamento de águas, onde começa a substituir o cloro porque não cria subprodutos carcinogênicos. O dióxido de cloro foi aprovado pela Agência de Protecção Ambiental dos E.U., ao remover com segurança organismos patogénicos e agentes contaminadores como o Antraz. Portanto sabemos que deve ser eficaz. Contudo, as concentrações usadas em tais aplicações podem variar de 500 a 6000 partes por milhão (ppm), as quais certamente seriam mortais se usadas nos indivíduos. Usando o protocolo do ClO2 você produzirá dióxido de cloro na faixa de 20 ppm. Você usará a solução do ClO2, a qual é segura para transportar, para preparar um purificador de elementos patogénicos, não agressivo à natureza. O ClO2 é feito a partir de uma solução de 24% de clorito de sódio (NaClO2) em água destilada que vai produzir dióxido de cloro ao adicionar um activador como HCl numa concentração de 4% em partes iguais. As aplicações de dióxido de cloro variam de 1 gota a um máximo de 15, exceto em situações de risco de vida, onde a dose máxima pode ser duplicada. Uma aplicação de manutenção pode ser de 6 gotas, com 6 gotas de activador adicionado. Após juntar o activador, a reacção química que transforma o clorito de sódio em dióxido de cloro toma cerca de 3 minutos e o líqido tornará-se castanho. O PH natural do clorito de sódio é muito alcalino sendo PH 13. Juntando HCl criam-se cerca de 3 mg de gás de dióxido de cloro e algum sal e agua. (5 NaClO2 + 4 HCl → 5 NaCl + 4 ClO2 + 2 H2O) O Processo Vamos falar um pouco mais sobre como e porquê o dióxido de cloro funciona para dar uma vida nova ao sistema imunológico. A volatilidade é o que torna eficaz ao dióxido de cloro na presença de elementos patogénicos. Como mencionamos, o dióxido de cloro é um desinfectante seguro e eficiente usado em muitos sistemas de distribuição de água, em hospitais, e mesmo no combate ao bio terrorismo. É lógico que possa funcionar com a mesma eficácia na água do corpo humano. A extrema volatilidade do dióxido de cloro impede que os organismos patogénicos criem resistência. Principalmente quando colidem, estes deixam de existir. E ainda assim, as células saudáveis e as bactérias benéficas permanecem intocadas. Os níveis normais de oxigénio no sangue não conseguem destruir todas as células patogénicas presentes nos quadros de doença, mas a aplicação de dióxido de cloro muda tudo. “Alto! Entregue Seus Eléctrões, Agora!” Quando um ião de dióxido de cloro entra em contacto com um organismo patogénico, ele atrai imediatamente até cinco eléctrões desse organismo, no que pode ser chamado de explosão microscópica... inofensiva para nós, mas terminal para a célula patogénica. O elemento patogénico – um doador de eléctrões – tornou-se inofensivo devido à entrega involuntária de seus eléctrões para o dióxido de cloro – um receptor de eléctrões – com a libertação de energia resultante. Oxidado pelo ião de cloro, o ex-elemento patogénico torna-se um sal inofensivo. Este processo beneficia um corpo que se tornou tóxico. Onde quer que no organismo, os iões de dióxido de cloro transportados pelas células vermelhas do sangue, encontrem elementos patogénicos, estes entregam seus electrões e deixam de existir. As células armadas com dióxido de cloro só “detonam” em contacto com elementos patogénicos, que incluem as bactérias nocivas, os vírus, as toxinas, os metais pesados e os parasitas. Todos estes têm um padrão de PH fora dos limites normais de uma boa saúde. Eles também terão uma carga iónica positiva. As células contendo o dióxido de cloro, não oxidam as bactérias benéficas nem as células saudáveis, pois seus níveis de PH são 7 ou acima, e contêm uma carga iónica negativa. Os iões de dióxido de cloro oxidarão – significando, vaporizarão – as células enfermas... algo que está ácido, com carga iónica positiva. Se o dióxido de cloro não encontrar elementos patogénicos ou outros venenos, ele se transforma em sal de mesa ou em ácido hipocloroso que também é aceito pelo organismo. Um Matador de Elementos Patogênicos As pesquisas revelam que o dióxido de cloro é muito mais seguro que o cloro, por ser selectivo com os elementos patogénicos quando usado na água. Ainda mais, ele não forma compostos prejudiciais com outros elementos da água, como faz o cloro. Numerosos estudos científicos demonstraram que o cloro – pertencente à família dos elementos halogênios – cria pelo menos três compostos carcinogênicos quando entra no corpo, principalmente trialometanos (THMs). Não se tem encontrado a evidência de tais elementos prejudiciais sendo produzidos pelo dióxido de cloro. Isto é porquê, em 1999, a Sociedade Americana de Químicos Analíticos, proclamou o dióxido de cloro como sendo o eliminador de elementos patogénicos mais poderoso, conhecido pelo homem. Foi até usado para limpeza após os ataques com antraz. Uma Viagem na Alquimia Química Uma vez introduzido na corrente sanguínea, o dióxido de cloro desenvolve uma receptividade energética de quatro electrões quando se aproxima de alguma célula com nível de PH abaixo de 7. Isto significa que as células enfermas são vaporizadas (oxidadas) enquanto as células saudáveis permanecem não afectadas. Eis aqui como acontece. As células vermelhas do sangue que normalmente transportam o oxigénio através do corpo, não diferenciam entre oxigénio e dióxido de cloro. Portanto após a ingestão da solução do MMS/dióxido de cloro, as células vermelhas levam os íons de dióxido de cloro que ficam depositados na parede estomacal onde normalmente se juntam os nutrientes de vários tipos antes de partirem para as diversas partes do corpo. Então, quando as células vermelhas do sangue, armadas com dióxido de cloro, encontram parasitas, fungos, ou células enfermas cujo nível de PH é baixo e sua carga iónica é positiva, as “invasoras” são destruídas junto com o ião de dióxido de cloro. Se tais encontros não se produzirem, o dióxido de cloro será levado até um ponto no organismo onde o oxigénio normalmente oxida as toxinas e outros agentes prejudiciais. Se o dióxido de cloro não encontrar nada que o detone, ele se deteriorará, perdendo portanto, um electrão ou dois. Isto pode permitir que se combine com um substancia muito importante que o sistema imunológico usa para produzir ácido hipocloroso. Este composto mata elemento patogénicos, células mortais e até mesmo células cancerígenas. O ácido hipocloroso é tão importante que a redução de sua presença no organismo é classificada em termos médicos como deficiência de mieloperoxidase. Muitas pessoas são afretadas por esta doença. O sistema imunológico necessita de muito mais ácido hipocloroso quando a doença está presente. Fornecido pelo dióxido de cloro que o gera em quantidade, assim como cloreto de magnésio, mas isso é uma outra parte de discussão sobre a saúde. O ponto mais importante a saber, é que o dióxido de cloro tem 100 vezes mais energia do que normalmente o oxigénio, e ainda assim, sem prejudicar as células saudáveis. A propósito, se você estiver totalmente saudável e não tiver nada em seu corpo com nível de acidez abaixo de 7, não haverá efeitos negativos ao usar o dióxido de cloro. Entretanto, seus níveis de ácido hipocloroso crescerão. O ClO2 funciona melhor para destruir elementos patogénicos quando houver 2 ou 3 mg de dióxido de cloro livres na solução, no momento em que esta é ingerida. Entretanto, o organismo é suprido com dióxido do cloro em forma de libertação lenta que dura cerca de 12 horas. Esteja ciente que antes de sentir-se melhor, é provável que se sinta mal. Porquê Devo Sentir-me Doente? A sensação de náusea que você poderá experimentar seria o resultado do dióxido de cloro encontrando, desalojando – daí a sensação de mal estar – e então destruindo os elementos patogénicos encontrados. Geralmente ignoramos os elementos patogénicos que são introduzidos em nosso corpo, especialmente depois destes terem sido alojados nos tecidos de vários órgãos. Uma vez que eles se desenvolvem ao longo do tempo, geralmente afectam nossa saúde lentamente e cumulativamente. No entanto, o dióxido de cloro retira-os de repente, o que pode resultar numa reacção forte.. Contudo, isso passa em muito menos tempo do que levou a acumulação das toxinas e elementos patogénicos. Quando o dióxido de cloro entra em acção, os elementos patogénicos desprovidos de electrões deixam de existir. Por exemplo, quase sempre nos sentimos mal nos casos de hepatite porque o fígado é levado a expulsar as toxinas armazenadas, que são então destruídas por um exército de glóbulos vermelhos contendo dióxido de cloro. É realmente incontestável. Mas não é algo tão agudo como uma hepatite. Anos de “chupar” as amálgamas dentárias pode depositar “inocentemente” bastante mercúrio em nosso sistema para roubar nossa energia, simplicidade e apagar memórias preciosas. Desalojá-lo e vaporizá-lo causará desconforto por um período reduzido de tempo comparado com o que levou a acumulá-lo. Se você se sentir doente ao tomar esta fórmula, saiba que sua saúde e vitalidade o esperam “do outro lado” da sensação de mal estar. Se o dióxido de cloro não tiver “encontros imediatos” com elementos patogénicos, ele se deteriora em componentes que são totalmente inócuos. Nenhum resíduo tóxico permanece, como no caso de muitas fórmulas médicas. Os tratamentos médicos actualmente não lhe trazem uma forma de eliminar as toxinas quando estas não funcionam. Você é deixado num território estranho e num estado doentio, sem o caminho de volta para a saúde. Por outro lado, o dióxido de cloro da Natureza, dura o tempo suficiente para fazer seu efeito e então o que não fornecer íões necessários ao sistema imunológico se transforma em nada mais do que pequenas quantidades de sal e água. O dióxido de cloro tem apenas poucos minutos para fazer sua função, deixando de existir sem deixar nada que se acumule ou prejudique. O Procedimento Portanto, o procedimento é simples. Tudo o que você necessita é de uma garrafa de NaClO2 de 24% em agua destilada, um copo seco e limpo, um conta-gotas e o activador HCl de 4%. O seguinte procedimento é retirado directamente da página de Jim Humble: http://www.miraclemineral.org Qual é o Protocolo normal para tomar o Dióxido de Cloro? 1-Quando nunca tomou começam com 1 ou 2 gotas. Nunca comece com mais de 1 ou 2 gotas. As pessoas que estão muito doentes ou sensíveis deveriam começar com ½ gota. Active as gotas de NaClO2 com igual quantidade de gotas do HCl 4%. 2- Se você não sentir náuseas na primeira dose, aumente uma gota na segunda dose. Se sentir náuseas, reduza a quantidade de gotas na próxima dose. Tome duas doses por dia, uma de manhã e outra à noite. Continue a aumentar uma gota a cada vez que tomar uma nova dose. Quando sentir náuseas, reduza uma gota na próxima dose, ou se for diarreia reduza 2 ou 3 gotas. Geralmente reduza uma ou duas vezes antes de voltar à quantidade que levou você a sentir as náuseas.  Nota: Se tiver diarreia, ou mesmo vómitos, isso não é mau sinal. O corpo está simplesmente eliminando toxinas e purificando-se. Todos dizem sentir-se muito melhor depois que passa a diarreia. Você não precisa tomar nenhum remédio para a diarreia. Ela sumirá tão rapidamente como surgiu. Ela não durará. Não é uma verdadeira diarreia porque o corpo está apenas limpando-se e ela não é causada por vírus ou bactérias. Quando as toxinas tiverem saído, também a diarreia terá desaparecido. 3- Continue a seguir o procedimento acima no nº 2, até alcançar 15 gotas duas vezes por dia. Nesse ponto, aumente para 3 vezes ao dia. Fique com 3 vezes ao dia por pelo menos uma semana e depois reduza as gotas para 4 ou 6 gotas por dia para pessoas mais velhas, e 4 a 6 gotas duas vezes ao dia em pessoas mais jovens.  Nota: Uma vez que tenha completado a fase nº 3 a maioria da carga de bactérias, vírus, mofo e fermentos, terá desaparecido de seu corpo. Seu corpo estará purificado. Você não terá mais que se preocupar com alimentar a carga de micro-organismos. Poderá basear sua dieta em nutrição em vez de evitar alimentar essa carga. A diabetes terá desaparecido, portanto não terá de se preocupar com o açúcar. Não terá de se preocupar com a reacção do pâncreas, dando-lhe um choque de insulina. Ao invés, ele lhe dará apenas a insulina suficiente para baixar o nível de açúcar no sangue à posição adequada (você não mais se sentirá com sono após comer um doce). Seu corpo será capaz de absorver facilmente as vitaminas e minerais, assim como muitos outros nutrientes que lhe tenham faltado até o momento. Você deverá sentir-se melhor com o passar do tempo. Não deixe de tomar o ClO2 nas quantias de 4 a 6 gotas duas vezes ao dia para manter uma saúde boa! Posso me sentir mal ao tomar ClO2? Comece modestamente com o mínimo de uma gota de ClO2 no primeiro dia, daí aumente o número a cada dia que se segue, até o máximo de 15. SÓ AS SITUAÇÕES DE DOENÇA E SOBRECARGA TÓXICA AGUDA JUSTIFICARÃO ESTA QUANTIDADE. Seu corpo lhe dirá quando você atingir sua dosagem óptima. A limpeza não será confortável, mas não precisa ser intolerável. Você pode se sentir como se estivesse numa batalha, e de certa forma, você esteve. É uma batalha pelo domínio de sua saúde, e portanto, de sua vida. Para que possa estar saudável outra vez, você precisa destruir as toxinas, os elementos patogénicos e os parasitas. Para tal, eles têm que ser desarraigados e desalojados de seus “abrigos” nos tecidos do organismo. Você sentirá os efeitos, mas será uma coisa boa. Você também sentirá saúde outra vez. A sensação de mal estar será TEMPORÁRIA, um preço pequeno a pagar pela possibilidade de longo prazo de uma saúde restaurada. Quando a purificação tenha sido feita, você não necessita de tomar as doses máximas. Pode continuar com uma aplicação de manutenção de 6 gotas de ClO2, para manter o seu interior livre de elementos patogénicos e o sistema imunológico forte. Algumas palavras mais sobre sumos de fruta para melhorar o sabor. Eles podem substituir a água desde que sejam feitos na hora. Mas NÃO use sumo de laranja. O sumo de laranja impede a produção do dióxido de cloro, assim como qualquer coisa que tenha vitamina C como conservante ou aditivo. Podemos dizer que o sumo mais aconselhável é sumo de maça sem vitamina C adicionado, Os parasitas fazem-no engordar? Muitos de nós batalhamos para manter nosso peso equilibrado. Recentemente, têm-se publicado muitos artigos revelando a relação entre parasitas e o aumento de peso. Uma vez que cerca de 80% dos norte-americanos pode estar afectado por parasitas, isto poderá explicar porquê muitos de nós estamos com problemas de controle de peso. Tentar perder peso que não cai, pode trazer resultados bastante frustrantes. Muitas vezes, gastamos centenas e milhares de dólares em afiliações em clubes, ‘personal-trainers’, regimes e pílulas dietéticas, com pouco ou nenhum resultado. Descobertas recentes sugerem que talvez não seja por culpa pessoal. Parasitas podem ser a causa do aumento de peso, assim como a razão pela qual temos problemas em reduzir o peso. Se você já tentou de tudo contra aqueles quilos teimosos, leia em seguida para saber como os parasitas podem alterar o seu corpo e quase o impossibilitam de perder peso. Diminuição de absorção de nutrientes Os parasitas podem fazer com que o revestimento dos intestinos se torne inflamado e iniba a absorção de nutrientes, vitaminas e minerais que ajudam a regular os níveis de hormonas, de açúcar no sangue, e o metabolismo. Os parasitas vivem dos alimentos que ingerimos e privam nossos corpos de alimentos que precisamos e nos deixam apenas calorias fúteis. Isto nos deixa mais ávidos por comida, e pode contribuir para o aumento de peso. Aumento de acidez dos sistemas do organismo. Os parasitas produzem toxinas e ácidos que podem romper os tecidos do organismo, prejudicar órgãos, e até reduzir as funções do sistema nervoso central. Como defesa natural, o corpo leva estes ácidos a depósitos de gordura para isolá-los do resto do corpo. O organismo também reduz o metabolismo por produzir mais isolamento ou gordura, tornando quase impossível perder peso. Obstrução das funções dos órgãos Os parasitas produzem toxinas e resíduos que circulam através de nossos corpos e fazem com que nossos rins e fígado funcionem mais. Sendo filtros orgânicos, o fígado ou os rins, têm que eliminar estas toxinas. Isto pode atrasar as funções de outros órgãos importantes, fazendo com que nos sintamos cansados e preguiçosos, e até mesmo reduzir o metabolismo, o que conduz ao aumento de peso. A causa de excesso de fermentação O nosso sistema digestivo tem uma boa flora intestinal formada por bactérias benignas que ajudam a combater os fungos. Os parasitas destroem estas bactérias boas e permitem o aumento destes fermentos. Quando os fungos fermentam, provocam gases e inchaço, e levam o sistema imunológico a iniciar reacções alérgicas. O ClO2 pode ajudar! Segundo à risca o protocolo o ClO2 pode ajudar a restaurar o seu metabolismo, e tornar a perda de peso muito mais fácil. Os desejos por comida diminuem porque você obtém mais de cada porção. Os órgãos funcionam mais eficientemente e podem manter o equilíbrio dos hormonas, do açúcar no sangue e do metabolismo mais eficientemente. Você não se livrará apenas dos parasitas!
Andreas Kalcker é ao lado do Jim Humble o mais importante investigador sobre dióxido de cloro e publica em espanhol no seu site http://www.andreaskalcker.com/es/
Eis aqui ao lado o video do Bill Ryan e Kerry Cassidy do ‘Project Camelot’ que me encantou para este homen humilde (Humble...) e a sua descoberta acidental que está a salvar vidas por todo mundo utilizando um simples químico chamado Dióxido de Cloro (ClO2). Fiquei tão maravilhado que nem queria perder tempo em escrever textos novos em português (embora que vou fazer brêvemente) sobre esta maneira de se livrar de quase todas as doenças, que recorrei a copiar :-(  e colar :-(  um texto muito bem escrito pelo Nandolibra (pseudónimo) de um Blog brazileiro chamado forum.antinovaordemmundial.com (Obrigado Nando!) Basta clicar no link em baixo para ir ao artigo original e muitas mais entradas por outros membros sobre Dióxido de Cloro. http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico- mms-jim-humble Descobri um fornecedor e comecei a utilizar ClO2 há pouco tempo mesmo sem estar doente. O Dióxido de Cloro é algo que podemos tomar simplesmente por precaução como vão poder ver quando começam a ler e ouvir os textos e videos sobre ClO2. Felizmente há muita informação sobre ClO2 em espanhol como este forum http://forum.mmspr.net/ e os livros do Jim. Em brêve vou começar a organizar encontros de esclarecimento no *Viver na Luz* sobre as muitas aplicações que o ClO2 tem. Não hesitem em contactar-me para saber mais se estão numa situação de doença aguda ou crónica tenho a certeza que ClO2 vai poder ajudar e ainda mais; sem gastar quase dinheiro nenhum!
                      ClO2; Uma Maravilha do século 21
Onde encontrar?